Show simple item record

dc.contributor.authorCOSTA PINTO, Antonio
dc.date.accessioned2019-03-05T09:16:25Z
dc.date.available2019-03-05T09:16:25Z
dc.date.issued2015
dc.identifier.citationCoimbra : Edições 70, 2015, Lugar da históriaen
dc.identifier.isbn9789724418728
dc.identifier.issn2182-7370
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1814/61604
dc.description.abstractEm Fevereiro de 1932, um grupo de estudantes fascistas criou em Lisboa um jornal académico, A Revolução. Quase todo o grupo fundador pertencia ao sector estudantil do Integralismo Lusitano, movimento monárquico de direita radical, fundado nos anos 10, sob inspiração da Action Française. Meses mais tarde, o grupo decidiu convidar para seu director Francisco Rolão Preto, o membro da Junta Central do Integralismo Lusitano que se encontrava mais próximo do ideal fascista que todos professavam. Lançado no Verão desse ano, o Movimento Nacional-Sindicalista rapidamente se organizou à escala nacional, sob a chefia carismática de Rolão Preto. O Nacional-Sindicalismo, expressão do fascismo enquanto movimento em Portugal, foi um fenómeno político tardio. Fundado em 1932, em plena transição para um regime autoritário, representa o último combate de uma «família política» que desempenhou um papel importante no processo de crise e de derrube do liberalismo português, mas que foi secundarizada na edificação de uma alternativa ditatorial estável no início dos anos 30. Tão estável que a resolução desta crise acabaria por produzir uma das ditaduras de direita mais longa da Europa do século XXen
dc.description.tableofcontents-- PREFÁCIO E AGRADECIMENTOS 1 AS ORIGENS DO FASCISMO PORTUGUÊS 1.1 O Integralismo Lusitano 1.2 Rolão Preto: o Valois português 1.3 Fascismo e Direita Radical nos Anos zo 2 A EMERGÊNCIE DO NACIONAL-SINDICALISMO 2.1 A Fundação do N/S 2.2 A ldeologia e o Programa Político N/S 2.3 Os Parâmetros da Ação Política do N/S 2.4 O N/S e o Fascismo Internacional 3 A ESTRUTURA DA ORGANIZAÇAO NACIONAL.SINDICALISTA 3.1 A Organização N/S 3.2 Dirigentes, Militantes e Aderentes 4 O N/S E O PARTIDO DE SALAZAR: ELEMENTOS PARA UMA COMPARAÇÃO 4.1 A UN e os Partidos Únicos das Ditaduras 4.2 UN e N/S - Elementos de Comparação 4.3 A Tensão N/S-UN - Alguns Episódios 4.4 Algumas Consideraçôes Finais 5 "SEM O PODER'': NE TNNSÃO COM SALAZAR À rlnceuztçto 5.1 o N/S Visto de Fora 5.2 A Ofensiva de Salazar: Demarcação Versus Integração 5.3 A Crise Interna do Verão de 1933 5.4 A Cisão Pró-Salazarista 5.5 O N/S de Rolão Preto: Integração ou Exílio 6 "CONTRA O PODER": OS ANOS DA CONSPTRAÇAO (1934-1945) 6.1 A Organização Clandestina 6.2 Uma Oposição Fascista? O N/S Clamando por Liberdade ó.3 O Efeito da Guerra Civil da Espanha: 1936 6.4 Uma Subcultura Sobrevivente 6.5 Os Fascistas e o "Estado Novo": Integração e Oposição 7 CONCLUSÃO:T'ESCISMOESALAZARISMO -- FONTES E BIBLIOGRAFIAen
dc.language.isopten
dc.publisherEdiçõesen
dc.relation.isversionofhttp://hdl.handle.net/1814/5941en
dc.relation.replaceshttp://hdl.handle.net/1814/61624
dc.relation.replaceshttp://hdl.handle.net/1814/61645
dc.titleOs camisas azuis e Salazar : Rolão Preto e o fascismo em Portugalen
dc.typeBooken
eui.subscribe.skiptrue
dc.description.versionPublished version of EUI PhD thesis, 1992en


Files associated with this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record